Cultura Xamã

 

 XAMANISMO

 

Nos primórdios da humanidade, os seres humanos, sentiam-se frágeis perante as forças da natureza e temiam aqueles que não pertenciam aos seus clãs, animais, etc. Para suprir essas carências, surge o xamã como um "organizador do caos" para despertar a consciência.Assim eles recorriam àquele que era concebido como um guerreiro que atuava com armas espirituais, que faziam a ponte entre o mundo dos homens e os espíritos.
A palavra xamã tem sua raiz na Sibéria, vinda da palavra “saman”, aparentado com o termo sânscrito “sramana” que significa “inspirado pelos espíritos” O xamã pode ser homem ou mulher. O termo xamã foi adotado, pela antropologia, para se referir a pessoas de uma grande variedade de culturas não ocidentais, que antes eram conhecidas como : bruxo, feiticeiro, curandeiro, mago, mágico, vidente, sacerdote, pajé, homem da medicina, o terapeuta, o conselheiro, o contador de estórias, o líder espiritual, etc, e referindo-se ao xamanismo como um conjunto de crenças ancestrais que estabelecem contato com uma realidade oculta, ou estados especiais (alterados) de consciência, a fim de obter conhecimento, poder, equilíbrio saúde para si mesmo e para as pessoas
Quando a maioria das pessoas, atualmente, ouve a palavra xamanismo, pensam em culturas indígenas americanas, outros reclamam por que não pajelanças se estão no Brasil, mas sempre considerado como “programa de índio”. O xamanismo não se refere apenas à espiritualidade indígena, e óbvio que foram os indígenas os grandes responsáveis por manterem acessas as chamas da “Medicina da Terra” mas as práticas se originaram no “homem primitivo”, no paleolítico.

A palavra tem origem siberiana e não americana e é usada hoje, como uma forma única para descrever as práticas no mundo todo. Ou seja, as práticas são universais, é um legado do Mundo Espiritual para a Humanidade. Não pode haver fronteiras.
As raízes do xamanismo são arcaicas, e alguns antropólogos chegam a pensar que elas recuam até quase tão longe quanto a própria consciência humana.
A palavra xamanismo foi criada por antropólogos para definir um conjunto de crenças ancestrais, que é um caminho de conhecimento. Nós podemos perceber traços do xamanismo em várias religiões. Mas, na essência são práticas religiosas. O xamanismo é um fenômeno religioso que se supõe ter sua origem na Ásia Central e Setentrional e das regiões árticas norte-européias Encontram-se fenômenos xamânicos similares entre os esquimós, índios das Américas; do Norte, Central e Sul; na Oceania, na Austrália, no sudeste asiático; e enfim, na Índia, no Tibet e na China. Trata-se, aqui, de um conjunto de práticas evidentemente adaptadas a cada cultura, a cada crença, mas que em toda parte apresenta o mesmo conteúdo mágico, religioso e simbólico.
A Medicina da Terra é derivada de conhecimentos medicinais, passados pelos ancestrais, que são honrados por aqueles que recebem a iniciação. O guichê mais ultrapassado é aquele em que o iniciado tenta "matar” simbolicamente seu iniciador, ao invés de honrá-lo. Isso é enfraquecer a raiz pela qual ele foi formado, uma auto-sabotagem espiritual. O entendimento disso faz com que o discipulado crie conscientemente um movimento de afinidade que traz harmonia no resultado.

Quando percebemos a conexão Universal entre nós, todos os que viveram, que estamos todos ligados, conectados, compreendemos que todas as histórias fazem parte da nossa história. A consciência da conexão é vital ao aprendizado da convivência mútua. Ninguém vence sozinho. Todos temos a necessidade de nos conectar com algo fora de nós - com nossos companheiros de caminhada e com algo maior que nós todos. No xamanismo, procuramos aprender com as vozes dos ancestrais, dos velhos, das tradições, das crenças. Esse aprendizado é básico para podermos traçar o mapa de nosso caminho, de acordo com o livre arbítrio.

O xamã compreende o Círculo Sagrado da vida e recomenda, ajuda na cura e ensina o que é necessário para o bem comum da comunidade. Isto significa freqüentemente colocar a comunidade em primeiro plano. O caminho xamânico conduz a um relacionamento de amor com a Mãe Terra. Não é possível praticar o verdadeiro xamanismo, sem incluir os cuidados com a preservação da vida de todos os reinos (animal, mineral, vegetal, espiritual) em nosso planeta.
O xamanismo aparece como um reflexo de um “Grande Espírito”, que pode ter vários nomes. É honrado o Criador e todas as suas criaturas, sejam pedras, animais, aves, plantas, peixes, insetos, águas, ventos, etc., que compartilhamos a existência nesta vida. Essa consciência, esse alinhamento com as forças da natureza, transforma-se em poder de cura e expande habilidades psíquicas, através da reconexão com a vida, com o Sagrado, com o mistério da Criação.
O foco das práticas do xamanismo centra-se nos ritmos cíclicos da natureza: nascimento, morte e renascimento, a complementaridade masculino e feminino, o contato pessoal individual com ambiente imediato da terra, com as forças da terra do sol, da lua e das estrelas. Um verdadeiro xamã,enfrentou suas sombras, que enfrentou e venceu seus medos : da insanidade, da solidão, do orgulho, da vaidade e dos vícios;da doença, ao passar por mortes em vida. Depois disso escolhe torna-se curador curado, auxiliador, profeta, visionário, à serviço das pessoas.

No xamanismo ao redor do mundo podemos ver as similaridades que definem as práticas :
A Busca por estados Alterados de Consciência – Vôo da Alma / Êxtase. O xamã é um especialista e um mestre da viagem estática.

*A capacidade de viajar em espírito assumindo a forma de um animal ou ave, ou diretamente através daquilo a que chamaríamos de experiência fora-do-corpo. Este vôo mágico é um dos fundamentos do xamanismo
*Viagem por mundos paralelos ( Reino dos Espíritos). Mundos invisíveis à realidade ordinária, a fim de guiar espíritos, obter conhecimento espiritual.
*Trabalho como canal de cura, o conhecimento do poder das plantas, pedras, dos espíritos animais e seres da natureza.
*Devoção à Criação : O Sol, a Lua, as Estrelas, o reconhecimento da presença de Deus em todas as manifestações do Universo
*Interação com espíritos da natureza
*Utilização de instrumentos de poder para induzir ao transe /estados alterados de consciência (tambores, maracás, etc)
*Conhecimento sobre o fogo
*Utilização de plantas (purificação, enteógenas, medicinais, magnéticas)
*Canções de Poder
*Danças
*Respiratórios e dietas
*Contação de histórias, preleições.

Atualmente o xamanismo pode ser dividido em duas escolas. O xamanismo tradicional: que segue as tradições nativas. O neo-xamanismo: que adapta a essência, com práticas terapêuticas, numa realidade urbana etc.
Atualmente, muitos xamãs, inclusive no Peru, rezam para Cristo, e aceitam que Jesus foi um Xamã Iluminado. Podemos, numa abordagem mais abrangente dizer que a Doutrina Santo Daime é um xamanismo cristão, assim como a Native American Church nos EUA, a Umbanda , a União do Vegetal, a Barquinha, o Catimbó, os cerimoniais com cogumelos de Maria Sabina, e outros. Existem traços do xamanismo em todas as religiões: no Budismo Tibetano, no Judaísmo, no Tantrismo, no Cristianismo, no Candomblé. Isso torna muito desafiante a tarefa de separar o que é e o que não é xamanismo, pois tudo está conectado!
O xamanismo resgata a relação sagrada do homem com o planeta. O resgate dos festivais sazonais (Solstícios e Equinócios), por exemplo, não marcam apenas a jornada do Sol, mas também os pontos críticos das estações, o ciclo agrícola, nossas emoções, hábitos. Essas "Forças Verdadeiras”, acessadas desde o princípio, na história espiritual da Terra, são resgatadas através dos séculos e podemos senti-las atuando em todos os momentos da cerimônia. Podemos sentir a ligação profunda que a natureza tem com a vida e nos tornarmos parte de uma comunidade global, propomos o Vôo da Consciência em busca de novos horizontes, de novas conquistas, de um novo ser, de uma nova vida. O início de uma vida pautada na sabedoria encontrada nas folhas, nos movimentos dos ventos, no poder transformador do fogo, nos espíritos ancestrais, na jornada da alma, na missão. As religiões do mundo moderno não têm tempo para a ecologia espiritual, assim como a cultura e o modelo de pensamento consumista atuante.
As Grandes Religiões inspiram e apontam para uma vida eterna fora deste planeta e pouco se preocupam em honrar as realidades do espaço sagrado em que vivemos. Muitos vivem, atualmente, com uma sensação de separação, de isolamento, um sentimento de que deva existir um sentido maior na vida. Os rituais xamânicos podem trazer a consciência de que somos apenas um "microcosmo", de que somos parte de "algo maior", de que somos filho da Terra, parte de uma Terra Viva.

***XAMANISMO NO TERCEIRO MILÊNIO***

O xamanismo vem crescendo, devido as carências da nossa sociedade atual.A falta de sentido de pertencimento, a ausência de rituais, o distanciamento da natureza e de si mesmo ocasionados pela sociedade moderna, são elementos que estão na origem do interesse crescente pelas práticas ancestrais nos últimos anos. Passamos a dar mais atenção às inovações, aos inventos, à tecnologia, o progresso e fomos nos distanciando de nossa conexão com a Terra. Ao longo da história da humanidade, conquistamos a terra, o espaço, a informação. O processo iniciou há 10.000 anos, onde fomos consumindo o planeta, e o saldo negativo foi, e continuam sendo, a extinção de inúmeras espécies animais, vegetais e minerais, superpopulação, poluição de águas e ar, aumento da temperatura global, armas de aniquilação completa, violência e outros. A neurose por proteção de divisas fez os governos investirem fortunas em armas, na indústria da destruição, que colocam em risco a segurança de todo o planeta. Miram as armas para as suas próprias cabeças Fortunas essas que se fosse aplicada em alimentos, acabaria com a fome do mundo. O direito ao alimento deveria ser a nossa mais importante conquista. Criou tal desigualdade que saúde e boa alimentação é privilégio de uma minoria, quando deveria ser para todos. Nosso meio ambiente está sendo contaminado por substâncias químicas, chuva ácida, destruição da camada de ozônio, etc. Os desertos estão ganhando mais espaços no Mapa e as florestas menos. Nunca a natureza se revoltou tanto! O mundo tornou-se muito ameaçador, e cada coisa está à disposição de quem queira tomar posse dela. Essas crises ecológicas são os gritos da Mãe-Terra. Vivemos numa época em que vizinhos nem se conhecem, nem se cumprimentam. Violência, desemprego, fome, guerra, crimes. Isso já começa a fazer parte de uma coisa natural. Parece que a beleza desapareceu do mundo. As pessoas nem parecem chocarem-se mais com tantas atrocidades. Observando as rápidas mudanças no Mundo, as pessoas se preocupam cada vez mais com o autoconhecimento, e fazem a si mesmo uma pergunta: “O que eu realmente devo fazer na vida?".
Nesta busca deparam-se com barreiras, seja com relacionamentos, trabalho, saúde, carreira e etc. Os conflitos que rodeiam o mundo, são os que habitam a consciência da humanidade e também passa por nós. As atuais ameaças humanas, assim como o bem estar, são sintomas da Mente Coletiva. E nesse cenário ressurge o xamanismo.

O xamanismo resgata o poder pessoal está em todos nós e que provém do desenvolvimento de nossos próprios dons. Pondo em prática os nossos talentos é que podemos viver a vida com poder e excelência. Podemos ser mais eficientes do que somos como líderes, especialistas, atletas, educadores, religiosos, comerciantes, voluntários, etc. Podemos decidir o modo que nós usaremos a energia que dispomos. Podemos ter equilíbrio entre olhar para dentro e agir para fora quando sabemos quais são os verdadeiros propósitos de nossas vidas. O maior desafio para a mulher/homem deste milênio é o de harmonizar suas relações e relacionamentos, seja com a família, fornecedores, clientes, alunos, amores, amigos, chefes, funcionários, com Deus, Cosmos, com a Natureza, etc. Para isso é necessário harmonizar-se consigo mesmo. No xamanismo aprendemos que nos relacionamos de quatro formas fundamentais, com os nossos quatro corpos ( físico, mental, espiritual e emocional). Nos relacionamos conosco mesmo, através da intuição, também podemos chamar de relacionamento com o nosso corpo físico, nossa saúde, nosso bem estar. Nos relacionamos amorosamente com família, parentes e amigos, amores, o relacionamento interpessoal. Nos relacionamos com nossos pensamentos, nossas crenças, nossa personalidade, com o que acontece no planeta. Também temos um relacionamento transcendental como nossos guias, com os espíritos da natureza, elementais, divindades. Assim como aprendemos coisas nesses relacionamentos que nos fizeram evoluir, também trazemos marcas de registros das frustrações, das perdas emocionais, dos fracassos. Temos registros que nos impulsionam na Jornada da nossa Alma e vamos encontrando obstáculos no caminho. Estamos diante do grande desafio de criar redes de relacionamentos que relacionem as nossas realidades ecológicas sagradas, e ao mesmo tempo com nossas comunidades locais.
O maior obstáculo para o crescimento é a inércia, que cria a insensibilidade, pois priva o indivíduo de novas possibilidades, cria passividade com relação à vida. Cria falta de vitalidade, limita a criatividade e predispõe ao papel de vítima. A consciência se limita a fugir, a ter medo. A vítima fica sempre vivendo as sombras do passado e com medo do futuro. Hoje, no Planeta, a vibração está mais alta do que nunca. As pessoas se preocupam cada vez mais com o auto-conhecimento e fazem a si mesmo uma pergunta : “ O que eu realmente devo fazer na vida ? “ O xamanismo, tanto em sua forma mais primitiva quanto na mais moderna, recupera o aspecto democrático da vida espiritual: as forças sutis da natureza manifestam-se em experiências espirituais. Cada dimensão da realidade está disponível àquele que realiza o esforço de aprender a prática da viagem e os diferentes meios de consegui-lo. Assim a via xamânica permite o indivíduo a viver uma experiência direta.

Tem-se percebido traços de vivencias do xamanismo em outras formas de esoterismo e, em práticas terapêuticas diversas como métodos de auto-ajuda. A prática do xamanismo hoje incorpora conceitos como o vegetaniarismo, separa a cura da feitiçaria, igrejas que se utilizam de enteógenos vegetais, posturas, impostações de mãos e até xamanismo corporativo, para curar empresas com problemas. A nossa sociedade está permeada de práticas e crenças xamânicas. Alguns exemplos:
As pessoas falam com seus animais de estimação, com suas plantas. Alguns falam com pedras, com cristais. As pessoas falam com santos!As pessoas falam consigo próprias, através dos pensamentos. No xamanismo nós aprendemos, além de tudo disso, a ouvir as respostas. As superstições, as benzedeiras, os chás, as simpatias, as poções, os banhos de defesa, defumações.
O xamanismo é em si o estudo da natureza. É a busca da sabedoria que contém cada folha, em cada vento, em cada pedra, é o estudo do Livro da Natureza. A verdade na Criação Divina, o mapa do caminho está escrito em cada vegetal, nas mudanças de estação, nas portas de cada direção cardeal, no movimento dos ventos, nos hábitos e talentos de cada animal, nas gravações de cada pedra, com a iluminação e calor do Sol, nos mistérios das fases da Lua, nas trilhas das Estrelas. E, através da natureza estudar a nossa própria ecologia. A nossa relação com a natureza, com as pessoas, com o nosso trabalho, nossos relacionamentos, nossas emoções.

Para praticar esse xamanismo, você pode ser de qualquer religião, ter a sua própria crença, pois a nossa ligação é com a vida. È a busca da realização do propósito de nossa alma. É resgatar a nossa relação com o sagrado. É a crença que a verdadeira magia está dentro de cada um. No poder que temos para transformar a nossa vida, para podermos viver mais no amor, na paz e na harmonia.O mapa do caminho é inspirado na sabedoria ancestral, no estudo dos talentos dos animais, das plantas, das histórias, das canções, das danças, das cerimônias.

Fonte: http://www.xamanismo.com.br